O trabalho é algo de extrema importância na vida do ser humano e que ocupa grande parte de nossa existência. Digo isso, pois passamos um tempo considerável de nossa trajetória realizando as atividades laborais que escolhemos, para que assim tenhamos a oportunidade de aproveitar os frutos de tudo aquilo que realizamos profissionalmente no momento em que nos aposentarmos.

Por se tratar de algo que justamente ocupa um espaço significativo em nossa vida, precisamos lidar com ele, e com tudo que o envolve, da melhor maneira possível, pois somente assim poderemos ter os resultados positivos que tanto desejamos conforme evoluímos profissionalmente.

Conheça suas próprias emoções

Reconhecer os sentimentos é o primeiro passo para o desenvolvimento do autocontrole emocional, principalmente no que diz respeito ao ambiente de trabalho. Como somos colocados diariamente frente a frente com situações que por vezes têm o poder de nos levar ao limite emocional, é importante estarmos sempre atentos aos sentimentos que são despertados nos momentos de estresse profissional.

Assim, a minha dica é que você preste mais atenção em suas emoções e nos comportamentos gerados por elas, quando, por exemplo, estiver em conflito com um colega de trabalho, com seu gestor ou com seus colaboradores, desenvolvendo a consciência de que tais emoções existem e procurando analisar como esses comportamentos afetam você e também quem está a sua volta.

Fazendo esta análise você entenderá melhor quais comportamentos e atitudes, decorrentes de suas emoções, estão te atrapalhando profissionalmente e terá a oportunidade de lidar com eles e mantê-los sob controle nos momentos em que eles vierem à tona nas próximas vezes.

Aprenda a lidar com as emoções

Após identificar as emoções e sentimentos que estão sendo um empecilho para o seu crescimento profissional, é necessário aprender a lidar com cada um deles.

O primeiro passo para que isso aconteça é entender que cada um dos sentimentos e emoções que surgem nos momentos de crise no trabalho têm o seu valor e uma razão para existir. O que você vai fazer a partir de cada um deles, é que fará toda a diferença entre um profissional de sucesso e um profissional frustrado emocionalmente.

Diante disso, ao contrário do que muitos pensam, descobrir o poder da inteligência emocional no trabalho e aprender a lidar com as emoções, nada tem a ver com suprimir os sentimentos. Na verdade, o ideal é manter o equilíbrio destes, sabendo dosá-los de maneira correta e controlada, tornando-os proporcionais às circunstâncias que surgem no dia a dia profissional.

Fazendo isso, você conseguirá, com muito mais facilidade e rapidez, se recuperar dos problemas e conflitos decorrentes do trabalho, se tornando o profissional bem-sucedido que sempre quis ser, uma vez que estará cada vez mais tranquilo para ajudar a empresa no alcance de resultados extraordinários.

Desenvolva a empatia

Também é preciso ter empatia, pois esta é fruto de um quoeficiente emocional elevado, ou seja, que um indivíduo que tem a capacidade de entender as emoções do outro e se colocar no lugar dele, tem um alto nível de inteligência emocional.

Quando nos tornamos pessoas cada vez mais empáticas, conseguimos estabelecer um nível mais alto de comunicação, uma vez que passamos a enxergar com os olhos dos outros.

Dessa forma, quando você se coloca no lugar do seu colega de trabalho, por exemplo, dos seus colaboradores ou do seu gestor, e passa a imaginar como eles estão se sentindo, tentando experimentar as mesmas emoções que eles, você passa a respeitá-los ainda mais e, com isso, os conflitos diminuem, abrindo espaço para a colaboração mútua.

Mantenha-se motivado

A relação existente entre automotivação e inteligência emocional é bem próxima. Isso acontece, pois quando nos deixamos dominar por emoções negativas, não conseguimos alcançar o nosso máximo potencial no sentido de nos automotivarmos constantemente para tornar palpáveis as metas e objetivos propostos diariamente em nosso ambiente de trabalho.

Assim, quando temos uma educação emocional positiva, afastamos de nós mesmos qualquer possibilidade de surgirem sentimentos que atrapalhem a nossa evolução enquanto profissionais, ou seja, abrimos espaço apenas para a motivação, que é o que vai nos ajudar a, não só atingir as nossas metas no trabalho, mas também a potencializar a nossa inteligência emocional.