Desde o início da pandemia, o RH têm enfrentado grandes desafios. Nos primeiros dias da quarentena, o RH trabalhou incessantemente para garantir o mínimo de condições de trabalho para as empresas. Atualmente, com um cenário mais estável, porém ainda incerto, já é possível identificar algumas alterações que serão mantidas no cotidiano das empresas. Por isso, levando em consideração todas as incertezas que ainda estão presentes, elaboramos um panorama geral dos subsistemas de RH!

Gestão Humanizada

Antes de qualquer transformação digital, é preciso estar perto dos colaboradores e conhecê-los com profundidade. Não é só consultar as pessoas, desenhar e implantar soluções, processos e políticas para elas. Mas criar, planejar, implantar, testar, errar e acertar com elas. É preciso ter uma preocupação com o bem-estar dessas pessoas, e dar voz às suas necessidades.

Cooperação e cocriação deverão ser palavras chave no RH das empresas. Quanto mais forte for essa sinergia, mais profunda será a relação colaborador e empresa. Assim, é possível trazer mais resultados para melhor tomada de decisões que alinhem as expectativas desses colaboradores com o negócio. O conceito de empresa-viva é a garantia que toda e qualquer mudança seja realizada de maneira harmônica, consciente e integral. Caberá ao RH ser o catalisador dessa mudança!

Tecnologia

O COVID-19 mostrou a necessidade empresarial de estar parcial ou totalmente inserida na economia digital, deixando claro a necessidade de digitalizar os processos de RH. Mais do que nunca, é necessário possibilitar o acesso a informação remotamente quando for preciso.

Além disso, o cruzamentos de dados para a transmutação em informações úteis ao negócio e a gestão de pessoas, não é só um realidade, é uma necessidade. Atividades como data mining e people analytics estão aí para isso. É preciso pensar em tecnologia, com uma visão sistêmica das soluções que ela pode trazer não, só para área de RH e seus processos, mas para toda a empresa. É importante para o RH, por exemplo, saber as diferenças entre VPN e link dedicado ou os impactos da LGPD. A realidade, é que em pouco tempo, não haverá espaço para analfabetos digitais funcionais. 

Como isso afeta os principais subsistemas de RH?

É impossível explicitar os detalhes, ou criar o guia de instruções. Mas vamos apontar algumas transformações que já são reais. Confira!

Folha de Pagamento/Administração de Pessoal

Esse é o coração de toda empresa. Se você duvida, atrase em 1 dia o pagamento dos seus funcionários ou não faça o processo de admissão/demissão corretamente e veja o que acontece. Porém, por mais importante que seja, FOPAG ainda é uma das áreas mais processuais do RH com fluxos offline que poderiam ser melhorados com o uso de tecnologia – o e-social puxava a fila para um cenário um pouco mais moderno, mas a iniciativa do governo perdeu potência.

Algumas empresas que precisaram admitir/demitir no início da pandemia tiveram sérias dificuldades para realizar os processos devido ao isolamento social. Empresas que já contavam com tecnologias que permitiam a admissão em questão de minutos por aplicativos (já existe a Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) na versão online) não tiveram esse problema e conseguiram agilizar esses processos. Para os profissionais que atuam nesses subsistemas não existem riscos de empregabilidade além dos normais. Mas a médio e longo prazo as mudanças tecnológicas exigiram um olhar tático sobre a área e os seus processos, uma vez que os processos operacionais serão realizados por máquinas.

Treinamento

A jornada remota requer um processo de educação que suporte a sua existência. Uma coisa é ter dias de home office outra coisa bem diferente é ter jornadas longas ou mesmo fixas onde toda a empresa é virtual. É necessário educação e direcionamento para todos os níveis e em todos os processos, do onboarding ao desligamento, da avaliação de performance aos processos seletivos. Para os profissionais da área, já se faz necessário o entendimento e experiência em formatos e canais novos de informação adequados aos seus diferentes públicos internos.

Desenvolvimento

Os profissionais da área de Desenvolvimento Organizacional foram bastante impactados pela quarentena e possivelmente continuarão sendo no pós. Políticas e processos que suportem o trabalho remoto, pensar em como será a rotina de trabalho no pós pandemia: home office será opcional? Se sim, qual é a regra? Se não, por que não? Já que funcionou quando era preciso. Como fica a cultura do presencialismo X cultura da performance? Não é admissível que um gestor fique parado na frente do computador apenas controlando quem está ou não online. Passou da hora de fazer alguma coisa a esse respeito durante e pós pandemia. Como fica o desenvolvimento da liderança nesse cenário? Existem muitos desafios para a área de desenvolvimento, mas a tecnologia e a gestão humanista são aliados para quem atua nessa área.

Remuneração

Redução de jornada, demissões, redesenhos organizacionais, revisão de cargos são exemplos dos desafios diários enfrentados pelos profissionais dessa área. Se tiver a área/abordagem de people analytics terá desafios interessantes que surgirão ao longo desse caos.

Benefícios

Imagine que toda a nossa legislação trabalhista é feita com base na premissa do trabalho presencial, incluindo os benefícios. Quando a dinâmica de trabalho muda é preciso repensar toda a política de benefícios. Por exemplo, a empresa arcará com os custos de energia e internet que os empregados estão tendo durante o home office? Como fica o VT? Teremos alterações nas políticas de reembolso? VA + VR serão mantidos? Serão unidos? Como fica o uso do plano de saúde em meio a esse caos? Profissionais que estão com jornada reduzida ou suspensa ainda tem o direito à assistência médica e odontológica? Esses são alguns exemplos dos desafios que a área de benefícios está enfrentando no momento. A solução de cada uma dessas perguntas é particular e individual, depende das diretrizes, cultura, tamanho e caixa de cada empresa. 

Alterar ou cancelar benefícios não é tão simples como pode parecer. Se forem benefícios previstos em acordo coletivo, negociado com sindicatos, qualquer mudança a ser feita é negociada e geralmente não tem resultado imediato. Mas temos um outro ponto a ser falado: a pandemia passará. Então tome cuidado com decisões definitivas nesse momento.

Recrutamento e Seleção

Talvez a única área de RH que já estava preparada para as consequências do COVID-19. Há tempos o R&S vem usando a tecnologia nos seus processos. As mudanças mais significativas foram o fato de terem de realizar todo o processo online e não apenas parte dele e claro. Ademais, o onboarding remoto – processo de integração do funcionário à empresa, após a contratação. Na prática o COVID-19 só acelerou as coisas e transformou projeto, experimentação e tendência em realidade e melhores práticas de mercado.

A partir desse panorama geral e de alguns questionamentos que deixamos, espero que você consiga achar a melhor maneira de gerir e aprimorar os Subsistemas de RH da sua empresa. Conte conosco!